Ser um negócio responsável significa assumir o comando e tomar medidas

A jornada para se tornar um negócio responsável, começa com o planeamento, indica Charissa Jaganath, Head of Responsible Business da Logicalis.

Qual é o aspeto de um negócio responsável? É uma empresa que dá prioridade à responsabilidade empresarial e cumpre os requisitos regulamentares em benefício da sociedade.

Com a estratégia certa e uma mentalidade proactiva, ser um negócio responsável também tem o poder de beneficiar as organizações e proporcionar um valor impactante, para todos os envolvidos. Por outras palavras, faz sentido a nível pessoal, global e empresarial. Mas antes que as empresas possam tirar partido de serem um negócio responsável, devem assumir o comando e tomar medidas.

Ser um negócio responsável é algo pelo qual todas as organizações devem lutar, especialmente dado o maior enfoque na redução dos efeitos das alterações climáticas. É claro que o negócio responsável não se trata apenas de como as empresas funcionam, mas também do que fazem pelas pessoas, tanto dentro como fora das próprias organizações. Trata-se de fazer um compromisso e de fazer a diferença.

Assumir o controlo

A jornada para se tornar um negócio responsável começa com o planeamento, alicerçado por conversas e educação sobre o que pode ser feito, e o que é viável para cada organização. Afinal de contas, cada empresa é única e o que funciona para uma poderá não funcionar para outras.

Quando olhámos para o nosso próprio negócio dentro da Logicalis, reconhecemos que precisávamos de dar prioridade a esta área e ir além dos esforços normais para nos destacarmos como líder e como arquitetos da mudança. Por conseguinte, criámos um papel dedicado (neste caso, o meu!) para ajudar a impulsionar a transformação da empresa num negócio responsável.

Desde então, temos posto em prática uma estratégia que identifica três pilares principais: pessoas, comunidades e planeta. Sob cada um deles, definimos objetivos e estabelecemos métricas, alinhadas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e os principais domínios de Governação Ambiental, Social e Corporativa (ESG).

Afinal, medir esforços é a única forma de determinar o que está a funcionar e o que não está, bem como de mostrar o retorno do investimento. É também importante que a sua estratégia abranja todas as áreas e níveis do negócio, envolvendo os colaboradores e a direção de todos os departamentos.

Tomar medidas

Claro que dizer que se vai fazer coisas não é suficiente. Esses planos precisam de ser postos em prática para dar seguimento aos compromissos de diversidade, sustentabilidade e responsabilidade empresarial. Portanto, depois de ter pesquisado e revisto, é tempo de renovar. Ao longo dos nossos três pilares principais, pusemos ativamente em prática processos e programas para atingir os nossos objetivos.

Para criar um local de trabalho diversificado, equitativo e inclusivo, criámos um Conselho Global de Inclusão, uma equipa de líderes que impulsiona a criação de responsabilidade estratégica e ações que ajudem a concretizar estes objetivos. Estamos também no processo de execução de um Programa de Bem-Estar Logicalis para apoiar o bem-estar físico, mental, e emocional das pessoas.

Para as comunidades em que nos inserimos, desenvolvemos programas de educação para apoiar o sistema STEM, aumentar o número de mulheres e grupos minoritários na tecnologia, e requalificação de adultos com vista a empregabilidade na tecnologia. Um exemplo dessas iniciativas em Portugal é precisamente o apoio ao programa UPSkill da APDC.

Quando se trata do planeta, estamos empenhados em neutralizar a nossa pegada carbónica até 2025 e a trabalhar para melhorar o desempenho ambiental em todo o grupo com objetivos definidos. Para os atingir, estamos constantemente a elaborar relatórios em plataformas de sustentabilidade como a EcoVadis. Ao longo do próximo ano, iremos implementar pelo menos um projeto ambiental em cada país onde operamos, o que significa 27 novos programas para ajudar a reduzir as emissões, a utilização de água ou a geração de resíduos.

Tirar partido de

Dado que tais ações requerem um investimento de tempo e dinheiro, a questão torna-se então: "qual a vantagem para o negócio"? A resposta é mais do que nunca a crescente importância e influência destes temas entre os diversos stakeholders dos negócios.

Se olharmos para o elemento pessoas, ter uma equipa mais empenhada e capacitada levará a um aumento da produtividade e a um aumento da satisfação. Por sua vez, isto pode ter um impacto positivo nos níveis de serviço ao cliente e de entrega, tornando a sua empresa mais atrativa em termos de retenção e atração de pessoal. Quando se pensa na atual escassez de competências que o sector enfrenta, isto é crucial.

Como disse, o panorama empresarial tem vindo a mudar, e foi sem dúvida acelerado pela pandemia, para uma situação em que as organizações procuram utilizar soluções sustentáveis e trabalhar com fornecedores com consciência ambiental. Como empresa responsável, está, portanto, a posicionar-se para se destacar da concorrência e impulsionar o crescimento do negócio.

A realização de mudanças nesta área dentro da sua organização pode ser alcançada, mas requer liderança e transformação. Para o fazer corretamente, é necessário assumir o comando e tomar medidas. E se o fizer corretamente, você (e o seu negócio) pode tirar proveito.

imagekaqe.png